Porta de hamburgueria de Araraquara é pichada com as palavras ‘macaco’ e ‘senzala’

Fonte: G1

Uma hamburgueria de Araraquara (SP) foi pichada com palavras racistas, na quarta-feira (11), na Rua Carlos Gomes, no Centro. Na porta do estabelecimento, ao lado dos dizeres ‘Vidas Negras Importam’, foram escritas as palavras ‘senzala’ e ‘macaco’. O caso ainda não foi registrado na Delegacia de Polícia.

O proprietário, Bruno Theodoro, de 32 anos, fez uma publicação nas redes sociais expondo o caso. O post já acumula mais de 4,3 mil curtidas e 700 comentários.

“Até quando nós negros vamos passar por isso? Não consigo entender como em pleno século XXI ainda existam pessoas com essa mentalidade! Se a ideia foi nos diminuir, deu errado. Isso vai nos tornar muito mais forte! Temos orgulho da nossa cor e da nossa história!”, escreveu.

Ao G1,Theodoro disse que a pichachão não irá afetar o seu trabalho. “A situação que tivemos não nos abalou. O negócio é focar no trabalho e ir para cima, a pandemia está batendo muito, mas muito mais forte do que as duas palavras que escreveram na porta”, disse. Ele pretende registrar um boletim de ocorrência sobre o ocorrido.

SOS Racismo

A coordenadora municipal de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Alessandra Laurindo, lamentou o episódio racista vivido por Theodoro e explicou que o papel da coordenadoria é auxiliar e dar apoio a vítima e destacou que é importante as vítimas seguirem em frente com queixa policial.

“A gente acompanha para que ela [vítima] não desista. Não tenha o desânimo. Porque as pessoas falam ‘ah, isso no Brasil não dá em nada’, e a gente está aqui pra dizer que dá sim e que elas têm que seguir adiante”, disse.

Alessandra ressalta que atitudes racistas não focam apenas um alvo e atingem toda a população negra.

“Infelizmente não é o primeiro caso, mas torcemos muito para que seja o último. Dessa vez foi com o Bruno, mas, de certa forma, todas as pessoas negras se sentem atingidas quando um episódio como esse acontece”, finalizou.

O programa SOS Racismo está recebendo informações e pistas sobre os responsáveis pela pichação racista pelo telefone (16) 99626-9466.

Apoio

Em uma publicação nas redes sociais, o Conselho Municipal de Combate à Discriminação e ao Racismo (Comcedir) se manifestou sobre o racismo e prestou solidariedade à Theodoro.

“Enquanto houver fôlego, não nos calaremos e continuaremos a denunciar e repudiar todo e qualquer ato de racismo e preconceito nesta cidade. Vamos apoiar nosso irmão divulgando sua loja e comprando do seu lanche. Não nos calarão”, dizia o trecho.

Prefeitura

Na tarde desta quinta-feira (12), a Prefeitura de Araraquara divulgou uma nota unificada, assinada pelos seguintes órgãos da cidade: Conselho Municipal de Combate à Discriminação e ao Racismo (Comcedir), Coordenadoria Executiva de Políticas Étnico-Raciais, Comissão de Combate à Discriminação Racial da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Araraquara, Frente Parlamentar Antirracista da Câmara Municipal de Araraquara, Associação de Preservação, Resistência e Resgate da Cultura Afro Brasileira de Araraquara (Aprecaba), Associação Cultural Afrodescendente dos Amigos De Araraquara E Região (Acaaar) e Samba Topp – Movimento Cultural de Resistência pelo Samba de Araraquara.

No documento, as entidades escrevem que entendem que como cidadãs e cidadãos da sociedade democrática de direitos, não devem silenciar diante desse fato e que o criminoso precisa ser identificado, julgado e punido por seus atos. (Veja abaixo a nota na íntegra.)

“O Centro de Referência Afro “Mestre Jorge” e demais instituições que subscrevem o presente documento vêm por meio deste repudiar de modo veemente a pichação explicitamente racista e vergonhosa ocorrida no dia 11 de agosto, na porta do Theodoro’s Burguer em Araraquara, com os dizeres “Macaco / Senzala”.

Entendemos que como cidadãs e cidadãos de sociedade democrática de direitos, não devemos nos silenciar diante desse fato e o criminoso precisa ser identificado, julgado e punido por seus atos.

A prática de racismo, crime inafiançável e imprescritível, é inaceitável e sempre será firmemente combatida por esse coletivo de pessoas e de instituições por meio de meios legais.

Não pouparemos esforços para combater quaisquer ações de violência e crimes de ódio que tentem ofuscar a luta de cidadãos e cidadãs que só querem ter o direito de viver em paz não sendo sua negritude um impeditivo para que isso se efetive.

A atitude racista ocorrida em Araraquara é uma manifestação imoral de uma parcela da sociedade adoecida e que não se envergonha em discriminar abertamente as pessoas em virtude de sua cor da pele e que se incomodam por essas pessoas trazerem em si o orgulho de sua ancestralidade, resultado de lutas históricas reconhecidas pelo Estado e que se converteram em políticas públicas de afirmação e reconhecimento do papel da população negra na história deste país, bem como na cidade de Araraquara.

Solidarizamo-nos com o proprietário do estabelecimento, Bruno Theodoro, e com todas as pessoas negras são inevitavelmente atingidas cada vez que um episódio como esse acontece.

É com total desprezo e com um enfrentamento sério ao racismo que conseguiremos uma sociedade em que fatos como este não mais ocorram. Estaremos alerta na defesa dos direitos pela vida. Racistas não passarão!”.