Pastor se filma destruindo oferendas do Candomblé em novo caso de racismo religioso

Fonte: Hypeness: https://www.hypeness.com.br/2021/02/pastor-se-filma-destruindo-oferendas-do-candomble-em-novo-caso-de-racismo-religioso/

“Em nome de Jesus”, gritava o pastor Gledson Lima, da Igreja Tenda dos Milagres, enquanto quebrava oferendas do Candomblé, na manhã do último domingo (7), em uma área descampada, no alto de uma colina, no bairro de Shangrilá, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro.

Uma pessoa que o acompanhava filmava o ato enquanto ele dizia que, ao quebrar os itens, estaria desfazendo uma “maldição”. O material se tratava de oferendas a Maria Mulambo.

Identificando o pastor pelas imagemns, o babalorixá Natan de Oxaguiã, do Ilê Àsé Babá Min Okan Fun Fun, registrou ocorrência na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), na última quarta-feira (10). A denúncia: intolerância religiosa.

Criticado nas redes sociais, o pastor evangélico se justificou em mensagem direcionada ao babalorixá, dizendo que “ficou incomodado” porque a oferenda “estava próxima da entrada do seu sítio”.

Em contrapartida, o pai de santo disse que há uma distância de cerca de meio quilômetro entre o ponto da oferenda e a entrada da propriedade do pastor.

Representando a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR), o babalawô Ivanir dos Santos questionou: “Até quando? O que ainda precisa acontecer para frear atos como esses? Estão mexendo com nosso sagrado. De onde vem toda essa violência?”.

Para Sidnei Nogueira, babalorixá e pesquisador mestre e doutor em Semiótica pela Universidade de São Paulo e autor do livro “Intolerância Religiosa” (Pólen Livros/Selo Sueli Carneiro), este problema está longe de acabar. Em entrevista a Carta Capital no ano passado, ele afirmou que “o racismo religioso se agravou muito no Brasil nos últimos anos”, reforçando que o preconceito com religiões de matriz africana trata-se, também de racismo.