Grupo se reúne com PM baiana pra discutir o fim de abordagens violentas

Fonte: Jornal Correio* : https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/grupo-se-reune-com-pm-baiana-pra-discutir-o-fim-de-abordagens-violentas/

Representantes da Universidade Zumbi dos Palmares se reuniram com parte da cúpula da Polícia Militar do Estado da Bahia nesta quarta (27) para discutir e apresentar as propostas do Movimento Ações Concretas por Vidas Negras (Movimento AR), um plano de ações práticas para o combate ao preconceito e à discriminação racial contra negros.

O Manifesto conta com 10 medidas e uma delas -a de número 2- propõe, justamente, a mudança dos protocolos policiais para impedir técnicas de sufocamento e estrangulamento em abordagens policiais, bem como, disparos letais de arma de fogo em abordagens, ou disparos de arma de fogo em invasões, ocupações, favelas e comunidades. É objetivo do Movimento transformar esse ponto em lei, de forma que sejam proibidas abordagens dessa maneira.

A reunião aconteceu na sede da Universidade Zumbi dos Palmares, em São Paulo e também teve participação da PM de São Paulo, representada pelo Cel.Evanilson Souza, Cel. Mário Filho e o Cabo Ciampone.

A PM baiana foi representada pela Capitão Thaís Ramos Trindade, Cap. PMBA Elma Pimentel do Carmo, Cap. PMBA Silvio Conceição do Rosário, Cap. PMBA Jalba Santiago dos Santos Segundo. A Reunião ainda contou com Elizeu Soares Lopes e José Alberto Saraiva Fernandes, da ouvidoria da PM paulista.

Líder do Movimento AR, José Vicente disse que a recepção da PM não poderia ter sido melhor e que esse momento é simbólico porque Universidades e Polícias “são como água e óleo, não costumam se misturar”. De acordo com José VIcente, foi importante que essa iniciativa acontecesse porque os dois lados se ouviram e discutiram maneiras de transformar para melhor a vida de pessoas negras.

Ainda de acordo com José Vicente, outros encontros acontecerão para discutir de que maneiras o Movimento pode ajudar a polícia a preservar e respeitar vidas em seus territórios de atuação. O reitor aponta que outras reuniões devem acontecer nas próximas semanas.

O Manifesto – Ações e estratégias:
01. COTAS NAS UNIVERSIDADES E CONCURSOS PÚBLICOS

Manter, intensificar, impulsionar e fortalecer as políticas afirmativas de inclusão de negros no ambiente universitário e nos concursos públicos, como forma de combater o racismo estrutural no ambiente público. 

02.MUDANÇAS DOS PROTOCOLOS POLICIAIS
Para impedir técnicas de sufocamento e estrangulamento em abordagens policiais, bem como, disparos letais de arma de fogo em abordagens, ou disparos de arma de fogo em invasões, ocupações, favelas e comunidades.

03.MUDANÇAS NOS PROTOCOLOS DE SEGURANÇA PRIVADA
Para acabar com a hostilização, perseguição, abordagens e constrangimentos nos ambientes públicos e privados, promovidos por esses agentes, especialmente, shoppings, bancos e supermercados.

04.CRIAÇÃO DE 500 MIL BOLSAS DE ESTUDOS
Para qualificação de jovens negros em graduação, pós-graduação, iniciação científica, formação tecnológica, economia criativa, negócios e empreendedorismo.

05. CRIAÇÃO DE 300 MIL VAGAS
De estágios, trainees e profissionais negros nas empresas públicas e privadas.

06. PROMOÇÃO DA DIVERSIDADE RACIAL EMPRESARIAL
Por meio de metodologia de implantação, gestão, gerenciamento da inclusão, carreira, ações e políticas de diversidade racial em 300 empresas públicas e privadas. Criação de Índice de Igualdade Racial Corporativo, de Premiação das Melhores Empresas da Diversidade, de Market Place e ação de protagonismo comercial para promoção e fortalecimento do empreendedorismo negro. Formação de um milhão de quadros corporativos em Racismo, Discriminação e Diversidade Racial Corporativa.

07.R$300 MILHÕES DE COMPRAS CORPORATIVAS
Do ambiente público e privado, de serviços e produtos de empresas e de empresários e profissionais negros.

08.FUNDO VIDAS NEGRAS IMPORTAM DE R$200 MILHÕES
Para fomento, apoio e financiamento educacional, empreendedorismo, tecnológico e de economia cultural criativa para jovens negros.

09. LEI DA HISTÓRIA DO NEGRO E MEMÓRIA NEGRA 
Implementação integral da Lei da História do Negro em todas escolas públicas e privadas. Instalação de bustos, estátuas e quadros que prestem homenagem a figuras importantes da cultura negra. Instalação da Rua Zumbi dos Palmares e Nacionalização da Virada da Consciência negra.

10. NEGROS NA POLÍTICA, JUSTIÇA E COMUNICAÇÃO.
Como maneira de combater o racismo estrutural e garantir presença igualitária nesses ambientes estatais, bem como, incluir e fortalecer o discurso da igualdade racial, além de ampliar a presença de negros na comunicação.