Governo de SP anuncia lançamento da ‘Escola de Dança Ismael Ivo’ em homenagem ao bailarino

Fonte: Dança em Pauta: https://www.dancaempauta.com.br/governo-de-sp-anuncia-lancamento-da-escola-de-danca-ismael-ivo-em-homenagem-ao-bailarino/

O premiado artista, que também era figurinista, autor e ator, vinha se dedicando desde o ano passado ao projeto da escola, inspirada na Julliard School de NY e na maior companhia de dança da América Latina, a São Paulo Companhia de Dança. A nova instituição irá oferecer formação técnica e artística, com foco 100% na formação e capacitação de profissionais em coreografia e performance.

O projeto, que tem previsão para início em 2022, terá cursos regulares na área de dança para 400 alunos e de extensão para cerca 1,5 mil. A sede será no terceiro andar do Complexo Júlio Prestes, localizado no centro de São Paulo. As obras iniciaram no último mês de março, com um custo estimado de R$ 3,5 milhões.

“Viva Ismael Ivo! Grande artista, grande pessoa, grande amigo! Deixa um legado fundamental para a dança brasileira. Será um prazer estar à frente de uma instituição que levará todo seu esforço em prol da dança e da arte a milhares de jovens brasileiros”, afirma Sérgio Sá Leitão, Secretário de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

Maestro da dança

Além de ocupar a vice-presidência do Conselho Estadual de Cultura do Governo de São Paulo, instituído pelo Governador João Doria em 2019, Ismael Ivo também foi curador do Programa de Qualificação em Artes-Dança, das Oficinas Culturais da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, orientando artistas in loco. O artista também fez parte da série de documentários Figuras da Dança, projeto da São Paulo Companhia de Dança, instituição da pasta, e era Conselheiro da Fundação Padre Anchieta desde o final de 2020, além de integrante da equipe criativa da TV Cultura, como assessor artístico. Neste período, junto à emissora, ele coordenou a realização de um Auto de Páscoa Negro, inspirado nas composições de João Bosco e Aldir Blanc, com a participação do ballet de Paraisópolis e da Brasil Jazz Sinfônica. Com a pandemia, a emissora teve que interromper o projeto, que seria exibido na Semana Santa.

A partir de hoje, a TV Cultura reexibe alguns dos programas em homenagem a esse grande artista brasileiro de projeção internacional, como o Roda Viva, de 2018, que terá reprise nesta sexta-feira (09/04).

“Nos palcos, ele hipnotizava o olhar do público com uma carga dramática singular e essa intensidade transbordava da cena para todos os seus demais projetos, como pudemos sentir de perto ao retratá-lo em um dos episódios da série Figuras da Dança e ao idealizar juntos o projeto Corpus – Alma e Esperança”, diz Inês Bogéa, diretora da São Paulo Companhia de Dança. “Representatividade, carisma e inventividade são parte da lista de atributos que farão nos lembrar dele e que esperamos carregar conosco cada vez que a cortina do teatro se abrir, com a certeza de que sua dança permanece presente de muitas maneiras”.

Detentor da medalha de ouro da cultura de Viena, da ordem do mérito cultural e da ordem cívico brasileira, além de Mestre da Criatividade do site Catraca Livre, Ismael brilhou nos palcos por onde passou. Sendo diretor da Bienal de Veneza, do Balé da Cidade, e o primeiro estrangeiro a dirigir o Teatro Nacional Alemão.

O paulistano estreou como coreógrafo ao lado de Juliana Carneiro no espetáculo Cartas Portuguesas, em 1978. Cinco anos depois, mudou-se para Nova Iorque. Dançou e coreografou Young Blood, pelo Departamento de Arte Moderna do City College. Em 1983, foi convidado por Alvin Ailey para integrar sua companhia junior, a Alvin Ailey Dance Center, em Nova Iorque.

Em 1984, fundou o ImpulsTanz com Karl Regensburger, em Viena. No ano seguinte, mudou-se para Berlim, na Alemanha. Em 1996, foi nomeado o diretor da Companhia de Dança do Teatro Nacional Alemão, de Johann Wolfgang Von Goethe, em Weimar.

Criou diversos trabalhos, como o solo Under Skin, inspirado em Federico Garcia Lorca, Antonin Artaud e Winnie Mandela, o solo Delirium of a Childhood e Francis Bacon, dirigido pelo coreógrafo alemão Johann Kresnik.

Em 1999, coreografou e dançou Tristão e Isolda ao lado de Márcia Haydée. No ano seguinte, criou, novamente em parceria com Márcia, a coreografia Aura, uma homenagem a Miles Davis e Alvin Ailey, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro; e Floresta do Amazonas, que estreou em Vienna.

Apesar do forte trânsito no exterior, Ismael sempre buscou manter uma profunda conexão com o Brasil, para onde retornou, em 2017, após aceitar a missão de assumir o Balé da Cidade de São Paulo, se tornando o primeiro diretor negro da instituição em seus quase 50 anos de existência.