FIFA 21: EA contraria Justiça e bane usuário após caso de racismo

Fonte: Portal GE: https://globoesporte.globo.com/esports/fifa/noticia/fifa-21-ea-contraria-justica-e-bane-usuario-apos-caso-de-racismo.ghtml

Caso é do ano passado, quando jovem teve conduta racista com ex-jogador de futebol Ian Wright, e teve até ação movida junto a corte do Reino Unido; entenda.

A EA Sports baniu permanentemente o usuário de FIFA 21, Patrick O’Brien, de 18 anos, de todos os títulos referentes à produtora após caso antigo de racismo contra o ex-jogador de futebol Ian Wright. Em maio de 2020, o jovem irlandês enviou mensagens de cunho racista em uma das redes sociais do ídolo do Arsenal depois de se sentir furioso ao ser derrotado em uma partida em que jogava com uma das cartas dele em seu time pelo Ultimate Team – o modo mais popular do game. O caso foi entregue à corte do Reino Unido, mas Patrick O’Brien foi julgado como inocente. Ainda assim, a EA saiu em defesa de Wright e aplicou o banimento permanente.

De acordo com Wright, Patrick O’Brien chegou a mandar mais de 20 mensagens em seu Instagram contendo xingamentos, ofensas raciais e ameaças de morte. A ocorrência se desenrolou nos últimos meses na Justiça britânica, mas não seguiu adiante. O juiz do caso alegou que se trata de um jovem imaturo e ingênuo, que agiu de forma impulsiva, e que não tinha problemas anteriores com a polícia. Insatisfeito com a decisão, Wright publicou uma mensagem nas redes sociais.

– Nunca fiz isso para ter vingança, fiz para mostrar as consequências por atos de racismo. […] Sou um homem de 57 anos que enfrentou racismo durante a vida inteira. […] Um indivíduo desejou minha morte por conta da minha cor da pele. Nenhum juiz que disser que isso foi “ingenuidade” ou “imaturidade” será aceitável para nós. A suposta “ingenuidade” e “imaturidade” do nosso agressor não é nenhum conforto para nós. Estou desapontado, estou cansado. Todos estamos – afirmou Ian Wright.

Patrick O’Brien, inclusive, se mostrou arrependido e fez um pedido de desculpas por escrito ao ex-jogador. Além disso, por iniciativa própria, ele doou 500 euros (cerca de R$ 3.370 na cotação atual) à Irish Network Against Racism, instituição da Irlanda que luta contra o racismo no país.

Já a EA Sports, no entanto, saiu em defesa de Ian Wright e expôs uma posição contrária ao veredito final da corte britânica ao confirmar o banimento permanente de Patrick O’Brien. Em um comunicado divulgado ao site Eurogamer, David Jackson, vice-presidente da marca FIFA, ressaltou que Wright faz parte da família EA Sports e reafirmou o apoio ao ex-jogador.

– Queremos que ele [Ian Wright] saiba que tem nosso apoio. Temos orientações para uma situação como esta, e tomamos medidas para proibir Patrick O’Brien permanentemente de jogar ou acessar nossos títulos. O racismo deve parar – disse David Jackson.

Essa não é a primeira vez em que a EA Sports apoia causas em combate ao racismo. Recentemente, por meio de uma parceria com a Premier League, a publisher iniciou a campanha “Sem Lugar para o Racismo” com ativações tanto nas redes sociais quanto dentro do FIFA 21 a partir de cosméticos temáticos.